Coffee Traders' Forum - A Discussion about Coffee Futures Trading


Coffee Traders Discussion Forum

Coffee Traders' Forum

ICO inquiry

http://www.redepeabirus.com.br/redes/form/post?topico_id=71580

Ao
Diretor Executivo da Organização Internacional do Café .
Sr. José Dauster Sette

Prezado Sr. José Sette ,

A OIC é uma entidade que deve apresentar dados confiáveis , inclusive tendo como fonte os dados governamentais e oficiais de seus participantes.

Conforme o “Relatório sobre o mercado cafeeiro – setembro 2017” divulgado pela OIC em 12 de outubro, a mesma informa que a produção estimada no Brasil em 2016/17 foi de 55 milhões de sacas .

Pesquisando nas divulgações de projeções de safra da CONAB , entidade governamental brasileira responsável em fazer levantamentos de expectativa de colheitas , esta indica uma expectativa de produção de 51,37 milhões de sacas para a safra de 2016/17 , conforme informado na pagina .22 do ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA - CAFÉ , publicado em Setembro de 2017, em anexo .

Usando a metodologia de safra derivada , matematicamente conclui-se que a Produção Brasileira de Café na safra 2016/17 foi de 49.724.561 sacas , ver artigo abaixo , enviado a V.Sa. em 16 de outubro de 2017.

Assim sendo , respeitosamente venho solicitar que me informe qual é dado oficial da safra de café do Brasil em 2016/17 e também a fonte desta informação ?

Veja que há uma enorme diferença entre os dados , pois entre a informação divulgada pela OIC e a equação de safra derivada da produção brasileira em 2016/17 há uma diferença de 5.275.439 sacas a mais do que realmente foi produzido , criando-se uma oferta de café inexistente.

No inicio de Dezembro , haverá o Asia International Coffee Conference , em que V.Sa. será um dos conferencista , creio ser uma ótima oportunidade para esclarecer a realidade dos dados de produção de café do Brasil , pois sendo o Brasil o maior fornecedor mundial de café , qualquer informação errônea sobre a produção brasileira de café , prejudica a todos os participantes da OIC .

Sabemos que os produtores mundiais de café se encontram em concorrência perfeita , e na sua grande maioria de países pobres , enquanto as industrias importadores de café são quase um oligopólio , e estes se encontram em países desenvolvidos. , podemos notar que já há um desequilíbrio natural entre o poder de barganha entre as partes.

Assim sendo é injusto as informações errôneas para ajudar a manter o "status quo" , transferindo renda de países pobres para os países desenvolvidos , pois os mercados de café se movimentam ao sabor das noticias divulgadas , inclusive nestes mercados bursateis , existem algorítimos que operaram interpretando noticias.

Sem mais para o presente momento , aguardo a vossa resposta a minha indagação e agradeço a vossa atenção .

Atenciosamente ,

Marco Antonio Jacob

fair play na comercialização mundial de café é apenas merchandising.

Várias fontes divulgam a previsão de safra de café do Brasil, e, existem uma margem de erro natural dentro destas previsões, pois é muito difícil quantificar exatamente o número de frutos nas arvores, o tamanho e peso de suas sementes, enfim, o real rendimento de café em grão por talhão, por fazenda, por município, por microrregião e por região, enfim, o Brasil é um país com dimensões continentais.

Então temos que sair do campo de previsões e saber realmente quanto que se colheu de café no Brasil, e , isto só é possível quantificando os estoques de café em determinada data , e , sabendo quanto foi o uso / desaparecimento de café total , isto é , quanto foi as exportações e quanto foi o consumo interno , também é necessário saber quanto foi a importação de café , após estes dados uma simples equação mostra o "quantum" foi efetivamente produzido , e podemos deixar o campo das previsões , para a "verdadeira" realidade , por isto a obrigação de contagem de estoques realizados pela CONAB anualmente .

Assim sendo, no período de 12 meses, temos os dados abaixo:

Estoque do Brasil em 31 de março de 2016 = 15.078.997 sacas, fonte CONAB
Estoque do Brasil em 31 de março de 2017 = 10.121.405 sacas, fonte CONAB
Exportações Brasileiras Abril16 até Março17 = 33.488.053 sacas, fonte CECAFÉ
Consumo interno Abril16 até Março17 = 21.200.000 sacas, fonte ABIC
Importações de café Abril16 até Março17 = 5.900 sacas, fonte MDIC/Secex

Desta forma temos que para um uso total de 54.688.053, que é a soma das Exportações + Consumo interno, houve uma diminuição dos estoques de 4.957.592 sacas e uma importação de 5.900 sacas.

Matematicamente conclui-se que a Produção Brasileira de Café na safra 2016/17 foi de 49.724.561 sacas.

A Organização Internacional de Café deveria trabalhar com dados oficias de seus participantes , mas , infelizmente, pública dados errôneos sobre a real produção de café do Brasil, pois conforme o “Relatório sobre o mercado cafeeiro – setembro 2017” divulgado em 12 de outubro, diz que a produção estimada no Brasil em 2016/17 foi de 55 milhões de sacas, portando superestima a produção brasileira em 10,61% superior a realidade, uma quantidade de 5.275.439 sacas a mais do que realmente foi produzido.

Este erro de divulgação da Organização Internacional de Café, leva a outros erros, pois deforma a previsão de safra de 2017/18 e também a previsão de safra de 2018/19, e isto é altamente impactante nas cotações internacionais do café.

Chamo a atenção pois haverá erro de avaliação da safra 2017/18, e será muito maior, pois de acordo com enquete a vários produtores, das mais variadas regiões, a diminuição de produção em relação safra anterior é bastante elevada, no Cerrado e Alta Mogiana encontra-se menos 40% de produção em relação ao ano anterior, no Sul de Minas e Baixa Mogiana, encontra-se uma safra menor na grandeza de menos 25 %.

Desta forma, e a grosso modo, ponderando todas as regiões produtoras do Brasil, conclui-se que uma produção menor em 20% é plausível em relação safra anterior, já incluindo o aumento de produção dos conilons.

Num singelo exercício de matemática, podemos dizer que baseado na safra colhida em 2016/17 que foi de 49,72 sacas de café, a safra de 2017/18, por efeito da característica de bienalidade, tendo uma produção cerca de 20% menor, chega-se a uma produção estimada de apenas 39,78 milhões de sacas , numeros inferiores aos 44,77 milhões previstos pela CONAB.

Notar que os primeiros 3 meses de exportação de café do Brasil no ano safra 2017/18 , isto é, Julho/Agosto/Setembro de 2017 , o Brasil exportou apenas 6.764.858 de sacas, portanto inferior a 25% do mesmo período do ano de 2014 e 2015, e menos 16,26 % que no período de 2016.

Em sendo realidade uma produção proxima de 40 milhões de sacas nesta safra que se findou , e praticamente com inexistencia de estoques de safras passadas , novamente a matematica nos leva a lógica que as exportações de cafés do Brasil no ano safra de 2017/18 , isto é , entre Julho de 2017 até Junho de 2018 vão diminuir muito , e tendo a florada de café seu auge em 10 de outubro , só teremos algum volume de cafés novos a partir da segunda quinzena de Junho de 2018.

Então a informação que os produtores de café estarão retendo mercadorias e formando estoques não é verdadeira como propaga alguns participantes do comércio internacional , a pseudo retenção se deve ao fato de menor quantidade produzida pelos cafeicultores brasileiros .

Sobre a safra de 2018/19 , devido a bienalidade , poderemos estimar com um potencial de produção próxima a safra de 2016/17 , pois não houve aumento da área plantada, e , então poderá haver um aumento na produção de conilons, mas em contrapartida, estando o clima hostil para as regiões cafeeiras de arabicas poderá haver uma diminuição na produção dos arábicos, desta forma , uma estimativa de 50 milhões de sacas é o recomendável.

Assim sendo a prudência nos leva a uma somatória das 3 safras em:

2016/17 = 49,72 milhões, 2017/18 = 39,78 milhões e 2018/19 = 50,00 milhões, totalizando em 139,50 milhões.

Porém os grandes players do mercado cafeeiro mundial divulgam estimativas muito superiores, que nestas 3 safras alcançariam a somatória de 162 milhões de sacas, portando 22,5 milhões de sacos ou 16% maiores que a prudência nos leva a crer.

Entretanto , devido as informações errôneas de quantidades maiores de produção do Brasil , corroboradas pela Organização Internacional do Café, os importadores mundiais continuarão a comprar café no mesmo preço de 35 anos atrás.

Para aqueles que acreditam em “fair play” na comercialização mundial de café, esqueçam, isto é apenas merchandising .

Convido o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento , a CONAB , a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil - CNA , o Conselho Nacional de Café-CNC , o CECAFÉ - Conselho dos Exportadores de Café do Brasil , a Organização Internacional do Café e a todos aqueles que se interessem e possam contribuir com a cafeicultura , a se manisfestarem sobre o disposto acima.